ISS: A ficar sem ar?

Os cosmonautas estão a considerar selar a área afectada, mas receiam que isso afecte as operações gerais da estação orbital. A agência espacial russa disse que pode enviar mais oxigénio para a ISS, se necessário.

Estação Espacial Internacional
O ISS poderia ficar sem ar?

O que aconteceu?

A Estação Espacial Internacional continua a perder oxigénio, mas a situação está sob controlo, disse sábado a agência espacial russa Roskosmos, acrescentando que a agência estava pronta a enviar um fornecimento adicional de oxigénio se o problema se agravar.

A fuga afecta a parte russa do ISS, com a falha aparentemente localizada numa área de acesso ao módulo Zvezda. A localização exacta ainda não é clara, noticiaram os meios de comunicação russos.

“Já temos esta fuga há bastante tempo, a taxa é muito baixa, nada aconteceu. Uma das fugas foi encontrada e reduzida, mas ainda lá está”, disse o director do programa Roscosmos Sergei Krikalev à agência noticiosa russa Interfax.

A pressão para encontrar a fonte da fuga aumenta à medida que as reservas de oxigénio e a pressão do ar continuam a diminuir.

Causa de danos desconhecida

Uma fenda de 4,5 centímetros foi descoberta e selada em Outubro, utilizando um saco de chá flutuante.

Os astronautas, sem saberem o que causou os danos, descobriram então que havia outra fuga num local diferente na mesma secção da nave espacial de 20 anos. No entanto, durante um passeio espacial em Novembro, não foram capazes de encontrar a falha.

Os astronautas estão a considerar a possibilidade de selar a secção afectada e utilizar reservas de oxigénio, mas dizem que isso afectaria as operações globais do ISS.

Tudo está sob controlo

Roscosmos disse que não havia perigo para as sete pessoas a bordo do ISS, que inclui quatro americanos, dois russos e um astronauta japonês.

O chefe da agência, Dmitry Rogozin, assegurou que havia reservas de oxigénio a bordo e que uma entrega de carga planeada em Fevereiro conteria oxigénio.

“Primeiro, a própria estação tem reservas de oxigénio. Ou seja, se for necessário repor oxigénio e azoto em caso de perdas de pressão atmosférica, temos tais reservas. E enviaremos um navio de carga para o ISS em Fevereiro. Já tem um fornecimento de oxigénio”, Rogozin foi citado como tendo dito pela agência noticiosa russa TASS.

“Se necessário, podemos usar as nossas relações com a NASA e enviar alguma da carga, incluindo oxigénio, num cargueiro americano”, disse Rogozin. “Não há necessidade de preocupação, tudo está bem, tudo está sob controlo”.